Como garantir a aprendizagem socioemocional dos alunos?

Os aspectos sociais e emocionais das pessoas já são estudados desde o início do século XX. O tema fez parte de reflexões de pensadores como Vygotsky e Jean Piaget e, hoje, está ainda mais presente no âmbito escolar. A aprendizagem socioemocional começou a ganhar força em 1990.

Foi nesse período que os estudiosos passaram a considerar que faz parte da inteligência saber entender e regular as emoções para lidar com as situações do cotidiano. Mas tal área do conhecimento não é valorizada apenas no Brasil.

Nos Estados Unidos, na Universidade de Yale, os professores abordaram o termo “Social and Emotional Learning”. A partir daí, educadores e psicólogos passaram a compreender que as habilidades cognitivas dos alunos também estão relacionadas ao bem-estar socioemocional.

O Fórum Mundial de Educação da Unesco criou, em 2000, os quatro pilares da educação no século XXI. Entre eles, está o desenvolvimento de habilidades sociais e emocionais dos alunos. Continue a leitura e entenda como aplicar o conceito em sua escola!

Principais desafios para garantir a aprendizagem socioemocional

Diante desse contexto histórico, é possível perceber que a qualidade da educação não está mais baseada apenas no ensino de áreas como Matemática e Português. Desde cedo, as crianças precisam aprender a lidar também com as dificuldades do dia a dia para fazer escolhas certas.

A escola e a família têm importantes papéis nesse processo educacional. Entenda, abaixo, como cada um pode ajudar no desenvolvimento dessas habilidades.

Papel da escola

Professores e diretores de escola têm um papel fundamental no processo de aprendizagem socioemocional. A educação não pode se restringir à exposição de conteúdos, à leitura de histórias e ao uso de brinquedos em sala de aula.

Cabe aos educadores estimularem reflexões sobre os acontecimentos na sociedade, propondo atividades em conjunto para mudar o contexto. O professor precisa ser um mediador do conhecimento e desenvolver estratégias para os alunos compreenderem o problema e soluções.

Assim, o educador contribuirá para a formação de pessoas com habilidades socioemocionais, pois a escola se transforma em um verdadeiro laboratório da vida. Por isso, ele deve questionar os alunos, apresentando diferentes cenários e propostas para resolver a situação.

Como a prática pode ser aplicada

Em vez de somente explicar que há pouca água potável no mundo e que todos precisam preservá-la, o educador pode, por exemplo, buscar por uma forma lúdica de trabalhar o conteúdo em sala de aula. Mostrar que plantas e animais precisam de água ou, quem sabe, oferecer água salgada para eles “experimentarem” são algumas das estratégias.

A partir daí, é possível entrar no assunto: “se água salgada não é boa, como podemos cuidar dela para bebermos?” O professor pode mostrar imagens e vídeos, indagando os pequenos para que eles saibam explorar diversas opções.

Muitas situações podem ser trabalhadas em sala de aula, desde o ensino da Matemática — com o uso de jogos educativos ou o compartilhamento de lanche para ensinar sobre divisão — até o aprendizado das palavras.

Para compreender como trabalhar a aprendizagem socioemocional, é importante que a escola invista na qualificação profissional. O professor sempre será visto como um exemplo e, por isso, precisa saber reagir da maneira correta com os alunos.

O educador deve aprender a fazer uma reflexão sobre si mesmo, a preparar os encontros com base em um conteúdo teórico e a trocar experiências pedagógicas com os demais professores.

Papel da família

Também é muito importante que a escola estimule a participação dos pais dos alunos nesse processo educacional. Para tanto, os professores podem dar orientações sobre algumas atitudes a serem aplicadas em casa para facilitar a aprendizagem socioemocional das crianças.

Nesse contexto, os pais devem dedicar um tempo do dia para incentivar o filho a falar, desenhar ou escrever sobre seus pensamentos e sentimentos. Também é fundamental trabalhar com exercícios de respiração, estimular o ato de ouvir o outro e argumentar sobre determinadas situações.

Além disso, é essencial que os pais saibam elogiar seus filhos e mostrar a importância de fazer tarefas das quais eles não gostam, mas são necessárias. É normal a criança querer espalhar os brinquedos e não guardá-los depois, por exemplo.

Ao ensinar o filho a organizar tudo, ele saberá que é preciso ter responsabilidade — e que algumas atividades devem ser feitas mesmo quando não se gosta.

Em casos de conflitos dentro de casa, os pais precisam saber resolvê-los de maneira diplomática. Isso vai mostrar às crianças que é fundamental ter educação e buscar compreender o outro para resolver a questão.

Desenvolvimento de habilidades

A preocupação com o aspecto social e emocional das crianças favorece o desenvolvimento de muitas habilidades que são valorizadas nos dias de hoje. Entre elas, estão as abordadas a seguir.

Cognitivas

As crianças podem aprender a resolver problemas e planejar determinadas situações desde cedo. Essas habilidades cognitivas serão valorizadas no futuro, no ambiente profissional.

Para tanto, a escola deve ajudar os pequenos com o desenvolvimento de atividades que fortaleçam a memória, exijam planejamento e estimulem o pensamento criativo. Há muitos brinquedos e jogos eletrônicos que permitem esse aprendizado e podem ser facilmente usados em sala de aula.

Emocionais

O aluno precisa aprender a lidar com as emoções o quanto antes. Saber ganhar ou perder, aprender com o erro e desenvolver a autoconfiança são alguns dos exemplos. Mas como fazer isso?

O professor pode utilizar jogos em sala de aula para promover competições saudáveis. Também é importante mostrar àquele que errou que isso vai ajudá-lo a fazer melhor da próxima vez, pois ninguém nasceu sabendo.

Na EAB, uma escola americana, os educadores criam um ambiente que favorece a aprendizagem socioemocional dos alunos. O programa de ensino visa ensinar aos pequenos como entender o sentimento dos outros e regular a maneira com que expressam suas opiniões e emoções.

Assim, as crianças têm um relacionamento mais saudável com os colegas e familiares, além de reconhecerem melhor seus sentimentos e interesses. Na vida adulta, isso pode contribuir para o desenvolvimento de um profissional que saiba controlar as emoções quando precisa usar a razão no ambiente de trabalho.

Sociais

As crianças também precisam aprender a lidar com regras e a trabalhar com outros colegas. Para tanto, elas devem desenvolver habilidades sociais e de comunicação. Por esse motivo, pais e professores precisam impor limites desde cedo, mostrando que os pequenos não podem fazer tudo que querem.

Saber conversar com os colegas e adultos também é uma habilidade desejável, pois, no mundo profissional, será preciso desenvolver atividades em equipe. Sendo assim, uma educação de qualidade se baseia na formação de crianças capazes de lidar com as adversidades, com espírito de cooperação e respeito ao próximo.

Éticas

A escola é um dos primeiros ambientes frequentados pela criança (além de sua casa) — e, por isso, os professores precisam cuidar muito da forma com a qual falam e agem. É na sala de aula que os pequenos vão aprender a conviver com as diferenças, a respeitar as ideias dos colegas e a desenvolver atividades que possam favorecer a todos.

Para tanto, o educador pode incentivar a troca de ideias em sala de aula e pedir a ajuda de alguns alunos para arrumar um material ou organizar o ambiente, entre outras ações. Isso ensinará aos pequenos a importância de agir com ética e de tomar decisões que valorizem a vida em sociedade.

Pronto: agora você já sabe a importância de aplicar a aprendizagem socioemocional em sala de aula! Aproveite para colocar nossas dicas em prática e ajudar os alunos a se tornarem indivíduos mais preparados no futuro.

Gostou deste artigo? Deixe um comentário e compartilhe sua experiência como professor ou diretor de escola de educação infantil!