Saiba mais sobre os campos de experiência da BNCC

A educação, como muitos outros aspectos da vida, está em constante evolução. Hoje em dia, o aprendizado de crianças e adolescentes não é mais abordado a partir da compreensão do conteúdo das grades curriculares. É aí que entram os campos de experiência da BNCC, que têm o objetivo de, entre outras coisas, priorizar o desenvolvimento infantil de maneira holística.

A nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que está em fase de implantação na Educação Básica (Ensino Infantil, Fundamental e Médio), estabelece direitos de aprendizagem e campos de experiência que assinalam uma nova maneira de organização do ensino. A inovação é que, agora, a criança é percebida como o centro do processo educativo.

Mas, o que os professores precisam entender para integrar os campos de experiência da BNCC no planejamento das aulas? É o que vamos abordar nesse artigo. Continue a leitura!

A seguir você confere um trecho do ebook “Guia completo: Como organizar o currículo segundo os campos de experiência da BNCC”, um material que ensina passo a passo o que são os campos de experiência previstos pelo documento e como eles impactam no aprendizado das crianças. Além disso, te ajuda na construção de um currículo perfeito seguindo os campos de experiência. Baixe o seu gratuitamente!

O que são os campos de experiência da BNCC?

Na BNCC, durante a etapa da Educação Básica, os direitos de aprendizagem — conviver, explorar, participar, brincar, expressar e conhecer-se — e os campos de experiência substituem as áreas do conhecimento, que serão trabalhadas no Ensino Fundamental.

Os campos de experiência existem para nortear e apoiar o planejamento pedagógico dos docentes. Eles cuidam para que o aluno tenha espaço, tempo e liberdade para se expressar e o professor possa acompanhá-lo nessa jornada. Ou seja, as práticas docentes devem se alinhar aos interesses e necessidades do aluno para que exista uma vivência educativa.

Cada campo tem seus objetivos de aprendizado e desenvolvimento. Portanto, as unidades temáticas, habilidades e objetos de conhecimento são prioridades na etapa seguinte. Nesse cenário, a escola tem a obrigação de garantir o acesso às competências gerais estipuladas pela nova Base, tornando o cenário educacional mais justo e igualitário em todo o país.

A BNCC designa cinco campos de experiência para a Educação Infantil. Eles apontam as experiências fundamentais necessárias para que a criança possa aprender e se desenvolver. Neles, são enfatizados noções, atitudes e afetos a serem aflorados nos primeiros 5 anos de vida, buscando assegurar a aprendizagem dos pequenos.

Campos de experiência são, portanto, as vivências pelas quais as crianças poderão interagir e se expressar, convivendo com situações que permitam a elas explorar, pesquisar, imaginar e se movimentar. Confira a seguir os cinco campos de experiência da BNCC.

O eu, o outro e o nós

Visa a construção da identidade e, também, da subjetividade da criança. As experiências se relacionam ao autoconhecimento e à promoção de interações positivas com professores e demais colegas. A noção de pertencimento e a valorização às diversas tradições culturais também são trabalhadas nesse campo.

O convívio com outros, por exemplo, permite ao aluno desenvolver suas formas de pensar, sentir e agir, levando-o a compreender outros modos de vida e pontos de vista. Paralelamente, ao viabilizar o contato com grupos sociais e culturais diversos, é possível trabalhar a autonomia, a empatia e a interdependência com o meio.

A partir dessas experiências, as crianças vão aprendendo a perceber a si mesmas e aos outros. O objetivo é que elas se tornem aptas a valorizar a sua própria identidade e, ao mesmo tempo, a respeitar e reconhecer as diferenças dos outros.

Corpo, gestos e movimentos

Foca em atividades e situações nas quais o uso do espaço com o corpo e variadas formas de movimentos são exploradas. A partir delas, o aluno pode construir referências de como ocupar o mundo.

Situações que priorizam o faz de conta também integram esse campo. Por meio delas, as crianças podem representar o mundo da fantasia, bem como a vida cotidiana, ao interagirem com narrativas de teatro e literatura.

leitura na educação infantil

Nesse ambiente, também é enfatizada a importância do contato, desde a infância, com diferentes linguagens artísticas e culturais — como a música e a dança —, pois elas são capazes de expandir as formas de expressão corporal.

Traços, sons, cores e formas

Prioriza o contato recorrente das crianças com variadas manifestações culturais, artísticas e científicas, agregando, também, o contato com as linguagens visuais e musicais. Nesse campo, os pequenos são incentivados a terem experiências de expressão corporal por meio da intensidade dos sons e ritmos melódicos, além de atividades com escuta ativa e criação de melodias.

Nesse sentido, são trabalhadas a ampliação do repertório musical do aluno, o reconhecimento de suas preferências artísticas, o estudo de diferentes instrumentos e objetos sonoros, a habilidade de identificar a qualidade do som, a capacidade de improvisação e o contato com as festas populares.

Escuta, fala, pensamento e imaginação

Enfatiza as atividades práticas com foco na linguagem oral, ampliando as formas de comunicação da criança em situações sociais. Fazem parte desse campo as experiências com cantigas, jogos cantados, brincadeiras de roda, conversas, entre outras.

É importante destacar as experiências com leitura de histórias, pois elas favorecem, também, o desenvolvimento do comportamento leitor, da imaginação e da representação, além de incentivarem as crianças a se interessarem pela linguagem escrita.

Englobam-se nas experiências gráficas, ainda, atividades que incentivam o uso cotidiano da escrita em contextos significativos, a imitação do ato de escrever em encenações e situações de faz de conta e a criação de atividades nas quais as crianças possam se desafiar a ler e escrever de maneira espontânea, com apoio dos docentes. A partir disso, é possível ajudá-las a organizar seus pensamentos sobre o sistema de escrita.

Espaço, tempo, quantidades, relações e transformações

Tem por objetivo favorecer a construção das noções de espaço em situações estáticas (perto X longe) e dinâmicas (para frente X para trás), colaborando para que a criança aprenda a reconhecer seu esquema corporal e sua percepção espacial a partir do seu corpo e dos objetos a seu alcance.

Experiências no âmbito das relações de tempo também são abordadas nesse campo. Noções de tempo físico — a diferença entre o dia e a noite, as estações do ano e os ritmos biológicos (e cronológico) hoje, ontem, amanhã, semana que vem, no próximo ano —, bem como os fundamentos de ordem temporal — depois da escola, antes de dormir — e histórica — na época da Páscoa, quando fizemos aquela viagem.

Finalmente, o campo agrega, ainda, a viabilização de situações que abarcam as transformações dos diferentes modos de viver em outras épocas e outras culturas, para que as crianças possam compreender a ideia de causalidade a partir dos variados tipos de materiais, situações e objetos.

Como a BNCC e os campos de experiência estão relacionados?

Ao refletir sobre as relações entre a BNCC e os campos de experiência, é importante lembrar que a Base e o currículo não são a mesma coisa. A Base é o que dá o direcionamento para o desenvolvimento do currículo que, por sua vez, é discutido pelas redes municipais, estaduais e particulares de ensino, bem como pelos docentes e gestores de cada escola.

Baixe nosso ebook gratuitamente e tenha acesso ao conteúdo completo!

Curriculo segundo os campos de experiência da BNCCPowered by Rock Convert

 

3 Comentários


    1. Avatar

      OI Abigail, ficamos muito felizes que tenha gostado! Assine nossa newsletter para ficar por dentro de todas as novidades 😀

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *