Como acompanhar o desenvolvimento infantil na escola?

“Intervenções de alta qualidade na primeira infância têm efeitos duradouros sobre a aprendizagem e a motivação”. A frase é de James J. Heckman, um estudioso sobre o aprendizado infantil. Ele demonstra a preocupação com os primeiros anos de vida das crianças, fator que também faz parte do dia a dia das escolas. Então, fica um dilema: como acompanhar o desenvolvimento infantil na escola?

É papel do professor e do gestor monitorar o desenvolvimento de habilidades motoras, de fala e relacionamento das crianças. É claro, os pais também têm papel fundamental nessa questão. No entanto, a escola pode ser uma incentivadora desse processo e auxiliar a família quando algo não está de acordo.

Quer entender melhor sobre esse assunto? Acompanhe o post!

O que envolve o desenvolvimento infantil?

Ele está relacionado à capacidade de aprendizado e desenvolvimento de habilidades sociais, motoras e cognitivas da criança. O desenvolvimento infantil na escola precisa ser acompanhado desde o nascimento do bebê a fim de identificar possíveis problemas e tratá-los adequadamente, quando esse for o caso.

O desenvolvimento infantil é identificado por marcos de comportamento que são esperados para determinada idade, como a fase em que o bebê começa a gatinhar. Que pai não fica feliz ao perceber que seu filho está crescendo saudável? Esse é um marco da criança que pode ser acompanhado também pela escola.

Por exemplo: é esperado que uma criança de 12 meses já consiga andar ao segurar a mão de pessoas ou apoiando-se em móveis pela casa ou escola. Muitas vezes, ela também consegue ficar em pé sozinha por um curto período e falar pequenas palavras para as pessoas certas, como “mama” para a mãe e “papa” para o pai.

Como muitas crianças passam um longo período na escola enquanto os pais trabalham, é papel do educador acompanhar o desenvolvimento durante esse período e conversar com a família sobre o desenvolvimento infantil na escola.

Quais são os  tipos e como acompanhar o desenvolvimento infantil na escola?

Há 4 áreas de desenvolvimento infantil na escola que devem ser acompanhadas: física, cognitiva, social e afetiva (emocional). Elas precisam ocorrer na mesma proporção para identificar que a criança tem um desenvolvimento saudável.

Uma criança que interage bem com livros e jogos de construção, por exemplo, mas não gosta de frequentar playgrounds ou tomar banho, indica que tem uma área cognitiva mais desenvolvida que a outra. E isso precisa ser observado com maior atenção. Entenda mais sobre o assunto a seguir:

Físico

Esse é o desenvolvimento infantil que identifica as habilidades físicas e motoras da criança, como: engatinhar, caminhar, pular, desenhar e recortar. Por isso, podem ser acompanhadas pelo professor ou gestor da escola durante as atividades pedagógicas desenvolvidas em sala de aula.

Em um trabalho de desenho, por exemplo, é possível observar como a criança segura o lápis de cor e desenvolve seus traços. O professor também pode perceber se o aluno caminha ou fica apenas sentado durante as aulas.

Cognitivo

Essa é a área do desenvolvimento infantil que identifica a capacidade do cérebro de entender e reagir a estímulos. Ela está ligada ao raciocínio lógico, à memória e à linguagem. Essas habilidades precisam ser estimuladas em casa e na escola, para que a criança possa ter o desenvolvimento esperado para a idade.

Por exemplo: aos 18 meses, é esperado que o pequeno saiba combinar sons e tenha um vocabulário reduzido, com cerca de 50 palavras.  Essa é a fase em que a criança utiliza palavras curtas para expressar suas vontades, como “ua” (rua) para identificar que tem vontade de passear. Já aos 3 anos de idade, é esperado que a criança tenha um vocabulário maior e comece a trocar menos as letras.

Nesse caso, se o educador perceber que há uma dificuldade de a criança expressar suas ideias dentro do perfil esperado para a idade, ele deve informar à família.

Vale lembrar que é papel da família e da escola estimular esse aprendizado, ao repetir palavras, perguntar o que a criança está querendo (em vez de atender a pedidos apenas com gestos), entre outras situações que fazem parte da rotina.

Social

Esse é o desenvolvimento que envolve a capacidade da criança de se relacionar com adultos e crianças. Faz parte dele o aprendizado da cultura, regras sociais e costumes de uma família, por exemplo.

A escola pode ser grande incentivadora desse aspecto, pois tem um ambiente propício para facilitar a interação entre as crianças. Ela também é um espaço em que o educador pode desenvolver brincadeiras próprias para a idade, para incentivar o respeito, o diálogo e a empatia.

Caso o professor ou gestor da escola percebam que a criança isola-se dos demais e não gosta de interagir, ele deve alertar os pais.

Afetivo

Essa característica já está presente desde que o bebê tem seu primeiro contato com os pais. Por isso, é importante que a família demonstre seu amor e carinho pela criança. E os educadores precisam ter atenção, paciência e cuidado para lidar com os pequenos.

O desenvolvimento afetivo está relacionado à inteligência emocional, uma característica muito cobrada dos profissionais atuais. Por esse motivo, é papel da escola contribuir para que esse aprendizado ocorra de maneira saudável.

Qual é a importância da participação dos pais para o desenvolvimento da criança?

Como você acompanhou ao longo do artigo, tanto a escola como a família têm papel fundamental no desenvolvimento infantil. Portanto, professores e gestores de escolas de educação infantil podem contribuir para o aprendizado da criança.

O gestor, por exemplo, pode orientar os pais sobre atividades que podem ser realizadas em casa para favorecer o desenvolvimento das habilidades dos pequenos. Além disso, ele pode ressaltar a importância de manter um ambiente tranquilo e amoroso para favorecer o aprendizado da criança. Para complementar, outros aspectos também influenciam o desenvolvimento saudável:

  • hereditariedade — o pequeno costuma apresentar algumas características semelhantes às dos pais;
  • alimentação — para que o desenvolvimento seja saudável, a criança precisa receber alimentos ricos em nutrientes;
  • estímulo — um  ambiente em que os pais incentivam a criança a falar, identificar objetos e cores contribui para o desenvolvimento intelectual;
  • condições físicas — se as crianças apresentam algum problema físico, o desenvolvimento pode ter algum atraso.

Sendo assim, é fundamental que os pais estejam presentes na vida da criança, façam visitas regulares ao pediatra — para acompanhar seu crescimento e sua saúde — e mantenham uma relação amigável com professores e gestores da escola de educação infantil.

Vale ressaltar que cada criança é um ser único, que precisa ser respeitado dentro de suas limitações e diferenças. A escola pode contribuir para o desenvolvimento da autonomia e confiança dos alunos, contudo tem a responsabilidade de informar os pais se o desenvolvimento de alguma área da criança estiver prejudicado. Em conjunto, a família e os educadores poderão encontrar maneiras de auxiliar o pequeno.

Logo, educadores e gestores devem acompanhar o desenvolvimento infantil na escola e manter um diálogo com os pais para compartilhar informações. Este artigo foi útil para você? Compartilhe esse conhecimento nas suas redes sociais para ajudar outros educadores e diretores!