Como os educadores devem lidar em casos de violência na escola?

Os casos de violência na escola são comuns e preocupam pais e educadores. Durante o processo de desenvolvimento infantil, é normal que as crianças sintam ciúmes umas das outras ou disputem pelo próprio espaço.

Contudo, os educadores precisam ficar atentos para compreender os motivos das brigas e devem tomar atitudes para que essas práticas não se tornem frequentes.

Ainda, é preciso estimular a participação dos pais para que, em conjunto, a escola e a família possam impor limites às crianças. Ficou interessado em compreender melhor esse contexto da violência na escola? É só continuar a leitura!

Por que ocorrem as brigas na escola?

É muito comum observar casos de crianças se mordendo ou batendo na escola de educação infantil. Esses atos, muitas vezes, são as formas encontradas pelos alunos de demonstrar a insatisfação sobre algum acontecimento ou de tentar impor a própria vontade.

Isso ocorre, principalmente, porque as crianças entre 1 e 3 anos de idade ainda não sabem se comunicar bem verbalmente. Então elas encontram na violência uma maneira de expor suas emoções.

Geralmente, as brigas ocorrem por situações simples como: uma criança pegou o brinquedo que não era dela, o professor deu mais atenção para um aluno do que para outro, entre tantos outros motivos.

Essas atitudes são, de certa forma, comuns, isso porque a criança ainda não está acostumada a dividir atenção, carinho, brinquedos e alimentos.

Contudo, a escola tem um papel importante no processo de ensinar os alunos sobre o convívio social e a necessidade de compartilhar coisas. Cabe ao educador apartar a violência na escola para evitar que ela traga problemas ao desenvolvimento infantil.

Quais são os riscos que a violência traz para os alunos?

As brigas em excesso podem gerar problemas para o aprendizado das crianças e para o convívio social no ambiente educacional. O aluno que recebe muitas mordidas ou chutes, por exemplo, pode acabar se inibindo perante os colegas.

Em longo prazo isso poderá prejudicar o relacionamento com os outros, pois a criança acabará se isolando cada vez mais.

A violência na escola pode prejudicar o rendimento de toda a turma, uma vez que o ambiente se torna um espaço de medo e conflito. Sendo assim, as crianças podem querer evitar a ida à escola ou alguns alunos podem ter dificuldade para desempenhar as tarefas solicitadas pelo professor.

Ela também traz consequências para o aluno que gosta de brigar. Se o professor não impor regras e limites, o indivíduo poderá levar essa característica para sua adolescência e vida adulta, pois entenderá que as brigas trazem resultados para ele.

Consequentemente, poderá ser uma pessoa agressiva no futuro, que não entende regras sociais e quer sempre fazer suas vontades.

Como os educadores podem auxiliar nos casos de violência na escola?

Para evitar que as brigas se tornem frequentes no ambiente escolar e os professores não consigam mais educar os alunos, é preciso tomar algumas atitudes. Confira:

Interferência nos casos de violência na escola

Embora as brigas façam parte do desenvolvimento das crianças, o professor precisa interferir quando elas acontecem. Para tanto, é recomendável que ele participe de cursos de formação continuada para entender os aspectos psicológicos e sociais envolvidos nos casos de violência.

Além disso, os educadores e gestores precisam estar sempre atentos em relação ao comportamento dos alunos. Uma atitude adequada, por exemplo, é separar as crianças que estão brigando e conversar com elas longe das outras.

É preciso fazer perguntas para entender o que aconteceu e explicar que a violência não é o caminho para resolver conflitos.

Incentivo ao bom convívio

É fundamental que o professor incentive o respeito e o convívio tranquilo em sala de aula. Dessa maneira, ele trabalhará a prevenção dos casos de violência na escola.

O professor pode promover atividades lúdicas, brincadeiras e jogos em grupo para que as crianças aprendam a compartilhar brinquedos e experiências. Essa é uma maneira de prevenir as brigas e mostrar a importância do respeito ao outro.

Além disso, o educador pode criar tarefas em que um aluno precisa ajudar o outro para que a atividade seja concluída. Isso mostrará para os pequenos que eles precisam saber trabalhar em equipe.

Também podem ser desenvolvidas atividades em grupo para estimular a convivência e o compartilhamento de emoções. O professor pode, entre outras opções, fazer:

  • gincanas;
  • piqueniques com a turma (em que cada aluno traz um lanche para dividir);
  • caça ao tesouro;
  • leitura de histórias;
  • montagem de quebra-cabeça em duplas.

O professor também pode criar regras de convivência na sala de aula para impor limites para os alunos e incentivar que as crianças manifestem opiniões e sentimentos, mesmo que por gestos simples ou poucas palavras.

Estímulo ao envolvimento dos pais

Os professores e gestores da escola devem compartilhar as experiências dos alunos com os pais. Se a criança mordeu um colega, por exemplo, é preciso informar a família e pedir que eles conversem com o filho em casa.

A escola também pode promover reuniões frequentes com os pais para mostrar a importância deles ensinarem os filhos a compartilharem os brinquedos com os colegas, a respeitarem os outros e a obedecerem as regras da escola.

O envolvimento dos pais com o universo dos filhos é fundamental para garantir um desenvolvimento saudável da criança.

Qual é o papel dos pais nesse processo?

Os pais também podem ser orientados pelos professores sobre como agir em casos de violência na escola. Se o filho for vítima, por exemplo, ele pode estimular que a criança fale sobre o que aconteceu, mostrar formas de como se proteger sem agredir o colega e demonstrar calma e tolerância.

Já quando o filho é o agressor, os pais devem ser mais proativos. Eles precisam investigar as causas da violência, observar as atitudes da criança, manter um diálogo saudável e estimular o respeito e a boa convivência.

É essencial que a família mostre que desaprova o comportamento para que o pequeno entenda que isso está errado.

Existe legislação sobre os casos de violência na escola?

O Estatuto da Criança e do Adolescente defende que as crianças têm direito de receber proteção e socorro sempre que for necessário. Ele também reforça que a maneira mais adequada de combater a violência nas escolas é promover o envolvimento das famílias e da sociedade no ambiente educacional, e incentivar debates saudáveis sobre o assunto.

Portanto, educadores e professores devem estimular o bom convívio em sala de aula para evitar casos de violência na escola. Também é essencial incentivar a participação dos pais no ambiente em que o filho estuda.

Gostou deste post? Siga nossas redes sociais — Linkedin e Facebook — e acompanhe todas as novidades!

5 Comentários




  1. Avatar

    Material riquíssimo para quem quer melhorar suas práticas pedagógicas em sala de aula…AMEI!

    Responder
    1. Avatar

      Ei Elza, realmente é essencial saber sobre esses assuntos para trabalhar em sala de aula! Compartilhe com seus colegas para que eles estejam preparados para essas ocasiões! 😀

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *