Conheça as mudanças na educação infantil para 2018

Será que você está ciente das mudanças na educação infantil para 2018? Em discussão desde 2015, a nova Base Nacional Comum Curricular prevê uma série de modificações na educação do nosso país.

A Base fornece parâmetros para orientar a elaboração dos currículos, tanto das escolas públicas quanto das particulares. Com a nova reforma, espera-se favorecer uma crescente melhora na educação do Brasil.

Neste artigo, vamos explicar um pouco mais sobre as principais mudanças na Base Nacional Comum Curricular e mostrar como ela pode elevar a qualidade do ensino nacional. Acompanhe o texto!

O que é a Base Nacional Comum Curricular?

Antes de tudo, é preciso saber o que é esse documento. A Base Nacional Comum Curricular é algo inédito em nosso país, pois descreve os objetivos de aprendizagem para cada área do ensino infantil e do 1º ao 9º ano do fundamental.

Já adotada em vários países, a Base é vista como um documento essencial para melhorar a qualidade do ensino — isso porque estabelece, detalhadamente, quais habilidades e competências os alunos precisam dominar até o fim de uma determinada etapa.

A existência de uma base curricular comum está prevista na Constituição de 1988 e no Plano Nacional de Educação, de 2014, que determina diretrizes, metas e estratégias para a política educacional. Entretanto, apenas em 2015, começou a construção do documento.

É importante ressaltar que a Base não é um currículo. Enquanto ela prescreve aonde os alunos devem chegar, o currículo informa de que forma isso pode ser feito. Além disso, cada escola tem autonomia para elaborar o seu próprio currículo.

Desde 1988, toda escola no Brasil precisa ter um Projeto Político Pedagógico (PPP), que contém diretrizes pedagógicas, documentos, recursos, plano de ação e tudo o que é necessário para uma boa gestão escolar. Sabe por que ele é tão importante? Bem, um Projeto Político Pedagógico é capaz de proporcionar mais segurança à escola, evitando improvisos e custos desnecessários. Sua elaboração é obrigatoriamente orientada a partir da Base Nacional Comum Curricular.

Quais são as mudanças na educação infantil para 2018?

A mudança da Base detalha os objetivos de aprendizagem para a educação infantil (crianças de 0 a 5 anos) e ensino fundamental (1º ao 9º ano). No caso do fundamental, separa as metas de aprendizagem por disciplina: Linguagens, Matemática, Geografia, História e Ciências.

Essa já é a terceira versão da Base, que passou por diversas reformulações, inclusive por consulta popular. Dentre as mudanças na educação infantil para 2018, estão incluídas:

  • a antecipação da alfabetização, devendo ser concluída até o segundo ano do ensino fundamental (não mais até o terceiro);
  • a disciplina de História passará a ser estudada de acordo com a ordem cronológica dos fatos;
  • o ensino religioso poderá ser área do conhecimento no ensino fundamental;
  • o material didático das escolas deverá ser produzido segundo as novas diretrizes.

A Base Nacional Comum Curricular também apresenta 10 competências que os alunos deverão dominar ao longo de toda a educação básica.

  1. Autonomia e responsabilidade para tomar decisões comprometidas com o bem-estar comum.
  2. Argumentação com base em fatos concretos, em nome da defesa do ser humano e do meio ambiente.
  3. Compreensão da realidade por meio dos conhecimentos historicamente construídos.
  4. Compreensão e uso crítico das tecnologias digitais.
  5. Autoestima e cuidados com a saúde.
  6. Desenvolvimento do senso estético por meio da arte e da cultura.
  7. Compreensão de capacidades relacionadas ao mercado de trabalho.
  8. Empatia, diálogo e convivência com pessoas dos mais diferentes grupos sociais.
  9. Curiosidade para buscar soluções por conta própria.
  10. Uso das linguagens (verbal, científica, tecnológica ou digital) para se expressar e trocar informações.

Quando começarão as alterações?

A nova Base foi homologada no final de 2017, e as escolas terão até 2020 para implementá-la em seu ensino. Isso significa que, até lá, todas deverão ter adaptado seus currículos para se ajustarem às alterações, começando já em 2018.

Vale lembrar que as alterações vão influenciar também a educação do ensino médio, parte que ainda passará por debates e audiências públicas antes de ser totalmente implementada.

O que esperar da nova Base?

Sem dúvida, as mudanças na educação infantil para 2018 serão grandes desafios. Mas espera-se que, com ela, seja possível uniformizar a educação do nosso país.

As discussões sobre as mudanças no currículo escolar, tanto vindas de pais quanto de professores, podem ser consideradas um fator positivo, já que geram maior interesse da sociedade no que as escolas têm para oferecer a seus filhos.

Quando se fala em participação familiar, nossa sociedade ainda tem grandes problemas. Estudos revelam que a participação da família no ambiente escolar de seus filhos ainda é pequena. Uma pesquisa mostra que 19% dos pais de alunos são considerados distantes do ambiente escolar, e até da própria relação com os filhos. Isso demonstra que ainda existe muito trabalho a fazer para criar uma integração entre os diversos setores da sociedade, de forma a gerar engajamento e interesse.

O que não consta na Base

Apesar das alterações, a nova Base para educação infantil não faz menções a “questões de gênero”, pois o Conselho Nacional de Educação prefere tratar do assunto de forma separada.

Em relação ao ensino religioso, que é um outro ponto de calorosos debates, sua inserção pretende fazer com que os alunos possam conhecer os aspectos estruturantes das diferentes tradições/movimentos religiosos.

As mudanças na educação para 2018 têm potencial de ajudar na redução da desigualdade do ensino. No entanto, dependerão também da qualidade da implementação por parte dos municípios. Essa deverá ser feita por meio do engajamento de toda a comunidade: alunos, famílias e sociedade.

As mudanças na educação infantil para 2018 devem começar a ser implantadas, na prática, a partir de 2019. Espera-se que cerca de 60% do conteúdo seja baseado nelas, e o restante, definido pelos currículos das redes e escolas. Segundo o MEC, serão liberados R$ 100 milhões aos municípios e estados, a fim de auxiliar o início da implementação da base já em 2018.

Se você gostou do texto, leia também nosso guia completo das principais competências da BNCC na educação infantil. Até lá!