Hiperatividade x Agitação: Como lidar com uma criança hiperativa

Plano de aula segundo a BNCCPowered by Rock Convert

Você sabia que existem diferenças entre uma criança hiperativa e uma criança agitada? Os aspectos do comportamento de uma simples agitação se diferem doas aspectos da hiperatividade, ser agitado nem sempre é sinal de problema.

Nesse post, iremos te explicar a principal diferença entre hiperatividade e agitação. Entenda também como lidar com cada caso na sala de aula. Confira!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Como identificar a diferença entre Hiperatividade e Agitação?

Quando o ser humano passa pela fase infantil, o cérebro se encontra em constante processo de desenvolvimento e amadurecimento. É exatamente nessa fase que os pequenos estão descobrindo o mundo.

Nesse processo tudo é novo e elas frequentemente dispõem da necessidade de experimentar tudo de uma só vez, sendo assim a agitação é uma característica da faixa etária.

Entretanto, a hiperatividade apresenta alguns sintomas semelhantes à agitação, o que dificulta a percepção correta dessa síndrome. Por essa razão, podem ocorrer diagnósticos equivocados ao diferenciar uma criança hiperativa de uma com agitação normal.

A infância é uma caixinha de interrogações para nós adultos. Compreender o mundo infantil é extremamente difícil e identificar se um comportamento é normal ou não, pode ser uma tarefa ainda mais complexa.

Não por acaso, com a divulgação do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e seus sintomas, têm se tornado comum inúmeros diagnósticos precoces e equivocados sobre o assunto.

A Hiperatividade

A hiperatividade é uma síndrome de causa genética que se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade.

O diagnóstico pode ser feito a partir de 4 anos de idade por meio de avaliação de profissionais aptos, como médicos psiquiatras, psicólogos e neurologistas em alguns casos.

Os sintomas de hiperatividade se destacam pela intensidade e permanência ao longo do tempo, sendo no mínimo a seis meses.

O pequenino demonstra dificuldade de se manter quieta em todos os tipos de ambiente. Um outro fato comum de se notar é que as meninas demonstram menos agitação que os meninos com o mesmo transtorno.

O transtorno pode persistir para a vida adulta e os tratamentos oferecidos para esse transtorno podem ajudar nos processos de aprendizagem, mas infelizmente a doença não tem cura.

Por essa razão, contar com a ajuda de uma equipe multidisciplinar e preparada é essencial e ajuda na identificação desse obstáculo de forma mais rápida e correta.

O que é agitação?

Ser agitado não necessariamente é sinônimo de um problema.

A agitação na infância é extremamente importante para o desenvolvimento da criança. Pode-se perceber que normalmente o nível de agitação dela aumenta consideravelmente na sua inserção na escola.

Formação ContínuaPowered by Rock Convert

Esse fato acontece por causa dos estímulos sociais exposto pelo ambiente, a mesma sente a necessidade de experienciar todos os estímulos ao mesmo tempo, expressando assim de forma agitada.

Entender a agitação é extremamente importante para o desenvolvimento sadio!

Os adultos conseguem transformar os sentimentos em palavras, mas as crianças não têm a mesma facilidade que nós. Portanto, elas utilizam seus comportamentos para expressar seus sentimentos.

Apesar da agitação ser natural é importante destacar que limites também são importantes para o desenvolvimento na infância.

Como diferenciar o comportamento de um a criança hiperativa para uma criança agitada?

Nem sempre é fácil diferenciar esses comportamentos, mas a observação profunda dos educadores e dos pais são essenciais para ajudar na investigação da síndrome.

A hiperatividade é movida por comportamentos de agitação extremas, envolvendo vários outros sintomas.

Esse transtorno é de origem neurobiológica marcado por prejuízos na aprendizagem e atraso na linguagem. Outros fatores que podem caracterizá-lo são:

  • Sono agitado;
  • Impulsividade;
  • Curiosidade extrema;
  • Dificuldade em concluir tarefas;
  • Dificuldade em prestar atenção;
  • Distrair-se facilmente por coisas sem importância;
  • Problemas de ansiedade;
  • Dificuldade de permanecer quieto em todos os lugares;
  • Agressividade quando não consegue realizar o que deseja;
  • Dificuldade de organização;
  • Dificuldade em seguir instruções;
  • Fala em excesso;
  • Baixo rendimento escolar.

Já comportamento agitado no desenvolvimento em um estado normal, apresenta as seguintes características:

  • Ela presta atenção nas atividades que são dos seus interesses;
  • Conhece quais são seus limites, mesmo que desobedeça;
  • Consegue concluir as atividades;
  • Explora seu ambiente para descobrir e aprender.

Meu aluno foi diagnosticado como hiperativo, e agora?

Primeiramente é preciso ter calma, afinal é possível trabalhar com esse aluno e estimular sua aprendizagem!

Algumas formas para auxiliar essa criança hiperativa em seu processo de aprendizagem tornam-se necessárias, como:

  • O professor deve ter mais atenção com o aluno priorizando um assento mais próximo para acompanhar as atividades do mesmo.
  • Proporcionar atividades mais interativas, de modo que o aluno consiga gastar energia e aprender.
  • Criar cronograma diferenciado para trabalhar em sala com aquele aluno específico.
  • Durante a aula, falar de forma mais chamativa, colocando ênfases na voz para informações importantes.
  • Cobre a qualidade nas tarefas e não quantidade, uma vez que o aprendizado é mais importante do que o volume de exercícios completos.
  • Sempre elogie as atividades do aluno (a).
  • Proporcionar que o aluno saía da sala por alguns instantes, mas estabelecendo regras.
  • Diminua a didática de conteúdos maiores em técnicas menores para ensino. Ofereça pequenas tarefas para não passar muitas informações de uma só vez e causar um desconforto maior no aluno.
  • Sempre, sempre e sempre comemore quando esse aluno concluir a tarefa, independente de quanto tempo possa demorar.

Lembre-se que seu tempo, cronograma e programações não funciona da mesma forma do aluno com o transtorno. Portanto, seja paciente!

Conclusão

Os professores devem ficar atentos e propor atividades mais interativas para que a mesma consiga gastar sua energia e ao mesmo tempo aprender. Ela deve ser constantemente estimulada ao aprendizado de forma diferente.

A orientação do psicólogo é fundamental para ajudar os pais e educadores nesse tipo de situação.

Obter um olhar humanizado é essencial. Deve ficar claro para os pais e educandos que não é falta de educação ou limites, as crianças hiperativas apenas têm a necessidade de explorar o ambiente e o aprendizado de forma diferente.

Achou o tema interessante? Não deixe de comentar o nosso artigo sobre as estratégias que a sua escola utiliza para superar esse desafio.

Curriculo segundo os campos de experiência da BNCCPowered by Rock Convert

5 Comentários

  1. Avatar

    Todos os professores precisam se apropriarem dos materiais disponibilizados. São materiais excelentes que servirão para melhorar a prática pedagógica e o fazer na sala de aula. Parabéns e obrigado pelos materiais solicitados.

    Atenciosamente.
    Prof.ª- Maria José Herculano Ferreira de Barros.

    Responder
    1. Avatar

      Ficamos muito felizes em contribuir para o aprendizado dos professores Maria, obrigado pelo feedback!

      Responder
  2. Avatar

    Muito bom ,amei.
    Esses esclarecimentos me nortearão nas observações.

    Responder
  3. Avatar

    Obrigado pelas dicas, algumas já fazia as outras vou colocar em pratica amanhã mesmo !!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *