Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

Educação criativa: por que ela precisa ser considerada

educação criativa
Gestão pedagógica atualizada

Os processos que levam ao aprendizado pleno das crianças já não são mais os mesmos. De uma abordagem distante e rígida, passaram por transformações até chegarem a algo mais lúdico, interativo e verdadeiramente eficaz. É justamente aí que entra o conceito de educação criativa, cada vez mais aplicado e difundido, inclusive na educação infantil.

Esse método vem promovendo mudanças profundas nas instituições, tornando-as muito mais preparadas para lidarem com as demandas atuais. Mas, afinal de contas, o que sugere essa concepção? Por que ela é tão importante? Quais são os seus frutos? Isso é o que explicaremos a seguir. Continue a leitura!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que é a educação criativa?

É muito importante definir o que é, de fato, a educação criativa. Trata-se da construção do conhecimento de maneira horizontal, em que o aluno é parte atuante em todo o processo de retenção do conteúdo. 

Os adeptos desse tipo de abordagem entendem que, para que o aprendizado seja algo eficiente e agradável, os estudantes precisam estar engajados desde a concepção do tema que será exposto. Eles podem fazer diversas sugestões relacionadas ao assunto em questão e identificar as melhores formas de absorver o conhecimento.

É nessa hora, inclusive, que se inicia a experimentação concreta. É o caso, por exemplo, de aprenderem mais sobre o meio ambiente indo diretamente aos locais em que fauna e flora são abundantes ou, ainda, se aprofundarem na literatura nacional criando seus próprios personagens. São muitas as possibilidades que podem ser vivenciadas na educação infantil com grande êxito.

Como e por quem a educação criativa foi idealizada?

Quem primeiro percebeu que essa forma de aprendizado realmente dá certo foi o matemático Seymour Papert. Ele não apenas propôs discussões acerca do tema, mas também desenvolveu a teoria que envolve esse tipo de abordagem. Para isso, contou com o auxílio da equipe do MediaLab do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e do grupo Lifelong Kindergarten.

Juntos, os pesquisadores chegaram a uma espécie de base da teoria, que leva em conta os 4 Ps. Trata-se, em inglês, de project, passion, people and play, algo como projeto, paixão, pessoas e brincar.

Em suma, o projeto envolve, como o próprio nome sugere, o planejamento. Os planos, antes de qualquer coisa, precisam ter significado para os estudantes. 

A paixão, por sua vez, é justamente o sentimento que deve mediar o aprendizado. Os alunos precisam se relacionar ao que está sendo ensinado com vontade e encantamento. Por isso é tão importante que os pequenos se façam presentes desde a concepção do tema que será explorado.

O processo não deve ser algo individualizado, pelo contrário, precisa ser compartilhado entre as pessoas. Assim, há um enriquecimento muito maior do aprendizado. As ações também se tornam mais criativas com o auxílio de um número maior de indivíduos.

Por fim, o brincar encerra todo esse processo. É o momento de colocar o planejamento em prática por meio da experimentação. 

Trata-se de algo que, muitas vezes, é mais lúdico, mas não menos eficaz. Além disso, nessa hora, os pequenos têm a oportunidade de ver o que realmente deu certo em relação ao que sugeriram, o que pode melhorar, e propor mudanças.

Como atrair alunos

De que forma a educação criativa e a escola 3.0 se vinculam?

Um conceito muito propagado atualmente, que tem tudo a ver com a educação criativa, é o da escola 3.0. Essa abordagem leva em conta que o professor não é mais o detentor de todo o saber, mas o mediador do conhecimento.

Além disso, a escola 3.0 se atenta muito mais a um ensino individualizado, que recorre às particularidades dos estudantes. Essa nova escola também leva em consideração disciplinas mais amplas e complexas, incluindo os recursos tecnológicos nos processos que envolvem o ensino.

Dessa forma, a educação criativa está totalmente ligada à escola 3.0, ambos os conceitos indo ao encontro dos desafios e atuais demandas sociais.

Como a educação 4.0 se relaciona com a educação criativa?

A educação 4.0 é mais um conceito que tem mostrado toda a sua força ao longo do tempo. Com as rápidas mudanças tecnológicas vivenciadas em todo o mundo, nas mais diferentes esferas, tornou-se essencial, inclusive para as instituições de educação infantil, a aplicação de ferramentas digitais.

Esses recursos vão desde a gestão escolar informatizada até à conectividade de sistemas e o Big Data. Enfim, tudo o que envolve a chamada indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial. 

O conceito abrange também o ensino e aprendizado de novas habilidades e a transmissão de conhecimentos atualizados, de acordo com as atuais exigências sociais.

Assim, a educação criativa precisa estar alinhada aos recursos e ferramentas da educação 4.0. Não se trata, portanto, de apenas um processo de aprendizado diferenciado, mas, sim, de algo condizente ao que se espera dos estudantes hoje e no futuro.

A educação criativa na sala de aula de educação infantil

São várias as ações que têm se tornado uma realidade nas escolas de educação infantil e que levam em conta a ideia de educação criativa. A criação de um sistema de comunicação interna, feito pelos próprios alunos, é uma delas. 

As crianças produzem matérias sobre as rotinas da escola e as propagam nas mais diversas mídias. Isso ajuda a trabalhar a linguagem, sociabilidade, ensina a buscar as informações corretas, entre outros benefícios.

Iniciativas relacionadas à natureza são mais uma alternativa. Cuidar dos animais, promoção de atividades que levem em conta a sustentabilidade e a redução de desperdício, por exemplo, trabalham as mais diferentes matérias de forma prática e cativante.

A educação criativa chegou à educação infantil para ficar. Por meio desse tipo de abordagem, os estudantes têm a oportunidade de aprender de uma forma muito mais atrativa e interativa, absorvendo melhor o conteúdo. Como sujeitos ativos no processo de aprendizado, tornam-se muito mais preparados para os desafios e demandas da vida adulta.

Nesse processo, contar com a ajuda da tecnologia é fundamental. Sistemas de gestão, como é o caso do WGiz, facilitam a rotina escolar, oferecem o controle de disciplinas e modernizam as ações nas escolas, tornando-as mais preparadas para enfrentar os desafios e aplicar novos métodos de ensino.

Dicas para combater inadimplência

Compartilhe esse conteúdo:

Toda Semana conteúdos novos para você!

Siga nossas redes sociais