Inteligência artificial na educação infantil: qual o papel da escola?

Presente em cada vez mais espaços como caixas automáticos de supermercado, gravações de voz, atendimentos de consultórios médicos, jogos de realidade virtual, a inteligência artificial pode ser uma importante ferramenta na educação infantil. É possível utilizá-la por meio de diversos dispositivos tecnológicos para atender demandas dos estudantes e, ainda, aperfeiçoar a gestão da instituição de ensino. 

Nesse cenário, torna-se evidente o papel da escola como auxiliadora na compreensão do uso educativo desses mecanismos modernos. Mas, é preciso estar atento: apesar de existirem várias vantagens indiscutíveis nessa nova realidade, é essencial entender como aplicar as ferramentas para que os resultados sejam verdadeiramente positivos.

Mas, afinal, o que é inteligência artificial?

A inteligência artificial é um ramo da ciência focado em desenvolver recursos tecnológicos capazes de simular algumas capacidades humanas, que vão desde a compreensão de informações e de solicitações até a representação de sentimentos.

Hoje é muito comum se deparar com esse tipo de ferramenta. Algumas vezes interagimos com ela sem nem saber que se trata de uma tecnologia de inteligência artificial. Ela está presente nas buscas realizadas no Google, no atendimento a clientes feitos por robôs, nos assistentes virtuais, entre outros.

Mas, como a inteligência artificial pode contribuir na formação das crianças?

A inteligência artificial oferece vários benefícios, entre eles a praticidade e o acesso facilitado a informações. Na educação infantil, esses recursos ajudam os pequenos a aprenderem mais e melhor, a terem mais interesse no processo de ensino e até mesmo a desenvolverem um raciocínio mais rápido e eficiente. Veja a seguir! 

Ensino personalizado

A realidade virtual oferece vários recursos interessantes como por exemplo a criança poder estar “em qualquer lugar”, sem necessariamente estar. Em um parque, no meio da natureza, com animais e etc. 

Por meio dos recursos da inteligência artificial é possível identificar o nível de aprendizado dos alunos em cada etapa específica. Além disso, dados consolidados por ferramentas especiais mostram quais são os pontos fortes e os desafios enfrentados pelos estudantes.

Assim, os professores e a própria escola conseguem trabalhar com cada um de maneira mais individualizada, assessorando os alunos em suas dificuldades e explorando o potencial de cada um deles.

Maior autonomia

A partir da identificação das particularidades de cada aluno, o professor consegue dar mais autonomia ao estudante. Cientes de onde estão e onde podem chegar, os alunos conseguem ser mais ativos no processo de aprendizagem, organizando seus próprios estudos com a ajuda de dispositivos de inteligência artificial.

O acesso rápido e fácil aos recursos, assim como a possibilidade de as crianças fazerem pesquisas sozinhas (sempre supervisionadas) as tornam mais preparada para lidar com os desafios presentes e futuros.

Aprendizado mais envolvente

Com a inteligência artificial tudo pode ficar mais divertido e atrativo para os pequenos. A gamificação, por exemplo, cada vez mais presente nos ambientes escolar e de trabalho, estimula a cooperação e o engajamento por meio de abordagens presentes nos jogos.

 

Quais os pontos de atenção ao utilizar IA?

Até agora, falamos sobre as vantagens da inteligência artificial. No entanto, é também papel da escola estar atenta aos limites dessa tecnologia e gerenciar as ferramentas da melhor maneira possível. Isso porque, sim, existem alguns desafios na utilização da inteligência artificial na educação infantil. 

Exposição exagerada

Apesar de a inteligência artificial oferecer vários benefícios, a exposição exagerada das crianças a determinadas ferramentas não é positiva.

Muitas plataformas, como o Youtube e redes sociais, usam algoritmos justamente para aumentar esse tempo de exposição. A partir da  inteligência artificial, eles entendem o interesse do usuário e oferecem constantemente outros conteúdos na mesma linha dos vistos ou pesquisados. 

Para as crianças, isso pode ser prejudicial, pois além de aumentar o tempo de exposição à tela, limita o acesso a determinados conteúdos e molda a visão de mundo em apenas uma frente. 

Por isso, quando a escola utiliza recursos que contam com inteligência artificial, não deve fazê-lo como a única forma de compartilhamento de conteúdo.

Falta de gerenciamento

Sim, a inteligência artificial contribui para a autonomia das crianças. Entretanto, é importante lembrar que isso não quer dizer que elas podem usar esses dispositivos sozinhas. As crianças devem ser supervisionadas enquanto fazem uso de recursos tecnológicos! Para isso é super importante a atuação e atenção dos pais. 

Por mais avançadas que as ferramentas estejam, inclusive oferecendo possibilidades de bloqueios de conteúdos, elas ainda podem sugerir materiais inadequados. Não existe um gerenciamento tão eficiente feito por robôs quanto aquele que é realizado pelos seres humanos.

Como usar as aplicações no dia a dia?

Também é papel da escola saber explorar o potencial de cada ferramenta que utiliza a inteligência artificial, compreendendo-as plenamente. Veja alguns exemplos práticos que podem ser utilizados em sala de aula:

Google Cardboard

O Google Cardboard é uma plataforma de realidade virtual desenvolvida pelo Google para ser usada no smartphone. A plataforma foi concebida com o propósito de gerar acessibilidade à realidade virtual. Uma de suas utilidades é o Google Expeditions, que traz mais de 900 excursões virtuais.

Alexa

A Alexa, assistente virtual da Amazon, é um exemplo de recurso que utiliza a inteligência artificial. Na educação infantil, ela pode ser usada para organização pessoal, para solicitar músicas, histórias ou até mesmo para propor jogos aos alunos. Que tal levá-la para a sala de aula e explorar todos os recursos que ela pode oferecer?

Siri

A Siri, por sua vez, é a assistente virtual da Apple e pode ser acessada por meio dos dispositivos da marca. Essa ferramenta ajuda a gerenciar tarefas básicas do dia a dia, como a organização do calendário. Além disso, é capaz também de realizar pesquisas na internet e de dar informações sobre vários assuntos. Com isso, os pequenos podem ter acesso mais fácil às informações, além de entenderem melhor como coordenar as tarefas cotidianas.

Google

O Google é responsável por vários recursos disponíveis hoje na internet. A marca utiliza a inteligência artificial para pesquisar conteúdos, sugerir materiais e até nos auxilia a escrever e-mails ou preencher formulários.

Trabalhar com todo esse potencial na educação infantil é enriquecedor. O processo de aprendizado, atualmente, é muito mais horizontal do que vertical, e as crianças são ativas em tudo. Por isso, ensiná-las a buscar, por elas mesmas, sobre determinados assuntos é essencial. Isso, é claro, sem deixar de supervisionar as atividades e de alertar sobre como diferenciar o real do irreal.

A inteligência artificial pode servir como uma verdadeira auxiliadora na educação infantil, contribuindo para um sistema de ensino e um aprendizado mais acertados. É papel da escola saber como aplicá-la no dia a dia, compreender os desafios e saber contorná-los. Com isso, todos só têm a ganhar.

A educação infantil é muito mais gratificante quando alinhada aos processos e métodos corretos e atuais. Você pode saber mais sobre o assunto acessando nossos materiais gratuitos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *