O papel do professor: como mudou ao longo do tempo e o que se espera dele

Plano de aula segundo a BNCCPowered by Rock Convert

Qual é o papel do professor, sobretudo na educação infantil? Se essa pergunta tivesse sido feita há algumas décadas, a resposta seria bem diferente daquela que possivelmente ouviríamos hoje. Ao longo do tempo o conceito do que é ser professor foi mudando: atribuições e responsabilidades foram transformadas significativamente.

Se antes eles eram vistos como cuidadores ou, ainda, como autoridade máxima no processo de aprendizado, hoje seu papel está mais ligado à mentoria. Ele é um facilitador do aprendizado e ajuda as crianças a se desenvolverem de maneira saudável sem interferir tanto na sua forma de aprender.

Neste artigo, vamos falar sobre o papel do professor, das mudanças de percurso e como, hoje, esses profissionais se encaixam na chamada escola 3.0.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Breve histórico da evolução dos professores na educação infantil

Há alguns anos, a ideia que se tinha dos professores na educação infantil era bem diferente da que temos hoje. As mudanças começaram a ocorrer por volta da década de 1980.

Leia também: Educação infantil: história, conceito e prática

Esses profissionais, que antes eram percebidos como cuidadores pela maioria das pessoas, passaram a ter uma voz mais ativa e a realmente trabalhar mais efetivamente no processo de aprendizagem infantil.

Antes, o papel do professor se limitava a tratar bem as crianças, a observá-las brincando e a garantir que elas estivessem limpas e bem alimentadas. Muito diferente do que se entende hoje, não é mesmo? Explicaremos mais sobre isso nos próximos tópicos.

Diferenças entre o papel do cuidador e o papel do professor

Talvez ainda não esteja claro para você qual a grande diferença entre um professor da educação infantil e um cuidador. A questão é que, embora haja diversas tarefas de cuidados com as crianças nas atividades de um professor, sua função vai muito além disso. Estamos falando da formação de um indivíduo de forma integral e isso precisa ir além dos cuidados com a integridade física dos pequenos. Veja essa diferenciação de forma mais detalhada:

Papel do Cuidador

O cuidador, como o próprio nome sugere, é aquele que cuida da criança em tudo o que ela precisa. Ele dá o alimento, observa a hora de dormir, zela para que ela não se machuque, faz sua higiene, entre outras funções semelhantes.

Perceba: aqui não há um olhar para a educação, para o ensinamento de valores, o desenvolvimento intelectual e cognitivo da criança. O foco é cuidar do corpo, da manutenção da saúde e, em última análise, da sobrevivência dela.

Papel do Professor

O professor, embora não deixe de ser também um cuidador no sentido de zelar pelo bem-estar dos pequenos, tem atribuições muito mais amplas. São dele as responsabilidades de conduzir as crianças em um processo de aprendizado contínuo e eficaz, orientando-as em vários aspectos.

Os professores atuam ativamente na educação, fornecendo os meios necessários para que os alunos se desenvolvam e amadureçam de acordo com a idade, vencendo uma série de desafios. Ele atua facilitando, amparando e incentivando o desenvolvimento integral da criança.

O papel do professor na atualidade

Certo, você já entendeu que essa ideia do professor apenas como cuidador não faz mais sentido. Mas, há, ainda, uma outra percepção que se tem sobre o papel do educador que está ultrapassada. Sabe qual é? A de que ele detém todo o saber.

Formação ContínuaPowered by Rock Convert

Essa ideia é fruto de um conceito antigo de que a educação se dá forma vertical: de cima para baixo. No passado cabia aos alunos apenas absorver o que o professor dizia, como se com ele estivesse a verdade universal. Ao longo dos últimos anos, porém, essa ideia mudou drasticamente e, com a revolução digital e o fácil acesso à informação, esse conceito caducou de vez!

Mediador, não detentor de todo saber

Na chamada escola 3.0, o professor age como mediador. Na prática isso quer dizer que a educação se dá de uma forma horizontal, sem aquela configuração de mestre soberano e alunos como “folhas em branco”. A ideia de que a criança é um ser em formação que não sabe nada e que precisa aprender tudo o que vem do educador cai por terra.

Nesse novo momento da educação os pequenos são considerados e enxergados. Os professores reconhecem que eles também têm uma riqueza de conhecimentos adquiridos em diversos lugares. Eles já têm uma bela bagagem e podem, inclusive, compartilhá-la com os professores e com os colegas.

Cabe aos professores, nesse cenário, auxiliar as crianças em todo o processo de aprendizado, considerando-as como seres com personalidade própria. O educador precisa, por exemplo, ensiná-las a discernir quais fontes de conhecimento são ou não confiáveis, alertando, inclusive, para os riscos de se informar por meio de sites que não têm credibilidade.

Isso não quer dizer, obviamente, que o professor não deve transmitir aquilo que sabe, pelo contrário. Ele pode compartilhar de seus saberes, mas sem apontar um único caminho para a criança. A mudança, efetivamente, está na forma como o ensino é partilhado em sala de aula: o processo de educação deve considerar o que a criança já traz dentro de si e utilizar isso em sua formação!

Focado na educação ampla

O papel do professor atualmente é focado, ainda, em uma educação que abrange muito mais áreas do que antigamente. Não cabe ao corpo docente somente transmitir as matérias do currículo escolar tradicional, mas auxiliar as crianças a se desenvolverem nas mais diferentes frentes.

Trabalhar o universo lúdico, ensinar conceitos relativos à sustentabilidade, promover atividades interativas para que os pequenos aprendam a se socializar, entre outras ações, são muito importantes, principalmente nos primeiros anos de vida.

Não é o centro da trajetória estudantil das crianças

Hoje os professores não têm mais um papel central na educação dos pequenos. Toda a comunidade atua de forma a auxiliar no desenvolvimento da criança. Essas contribuições vêm dos mais diferentes universos, desde a família, vizinhos, autores de livros infantis até mesmo youtubers.

Não se tem mais a ideia de que todo o conhecimento é adquirido somente na escola, pelo contrário. Não fica mais a cargo somente do professor o aprendizado dos pequenos.

As crianças, atualmente, são agentes ativos na própria educação, fazendo as suas contribuições, mostrando o conhecimento que elas já têm, partilhando com os colegas e até com os educadores suas próprias visões de mundo.

Leia: A beleza da educação com liberdade no Método Montessori

O processo atual é muito mais livre, respeitando a autonomia dos alunos, sem desconsiderar, obviamente, que eles são seres em formação e precisam de auxílio em todo esse processo.

Aperfeiçoamento é a palavra!

Você percebeu que o papel do professor foi transformado ao longo dos últimos anos. E, para acompanhar todas essas transformações, o educador precisa se aperfeiçoar constantemente! Se você quer se manter informado sobre as mudanças na educação leia nosso ebook Formação Continuada e BNCC.

 

Curriculo segundo os campos de experiência da BNCCPowered by Rock Convert

1 comentário

  1. Avatar

    Acompanharei mais de perto seus artigo e matérias,tendo em vista, sua importância para minha carreira e minha pós em gestão escolar. Obrigada!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *