6 dicas para elaborar um relatório descritivo na educação infantil

Ainda que a avaliação não deva ser o centro das atividades pedagógicas, ela é uma importante ferramenta de análise de desempenho, cujos seus resultados ajudam a informar o próprio aluno, bem como seus responsáveis e o restante da comunidade escolar. No entanto, uma avaliação que se resume em uma pontuação, provavelmente, não cumpre esse papel, não é? Por isso, muitas escolas adotam o relatório descritivo na educação infantil.

A seguir, você aprenderá sobre o relatório descritivo, o seu papel e importância na educação infantil, e também conhecerá algumas dicas que vão facilitar a sua elaboração. Confira!

O relatório descritivo na educação infantil

O relatório, parecer ou avaliação descritiva consiste em um método de avaliação da aprendizagem do aluno, tendo em vista o desempenho apresentado nas atividades de um determinado período — bimestre, trimestre, semestre etc. Ele se baseia na observação atenta do desenvolvimento das competências exploradas, bem como das dificuldades apresentadas pelos alunos.

Para dar conta de relatar esse progresso, o relatório não pode se resumir aos resultados aferidos em uma avaliação pontual, tampouco a um conceito ou nota. Pelo contrário, como o nome indica, ele deve descrever o estado do desenvolvimento da criança e pode até narrar, quando necessário, hábitos ou eventos que atestam a sua aprendizagem.

Nesse sentido, os pareceres também devem relacionar esse desenvolvimento às expectativas de aprendizagem de cada faixa etária.

Vale lembrar também que esse documento pode ser produzido tendo como foco tanto a turma, como cada aluno individualmente.

A importância do relatório descritivo

A função da avaliação descritiva é informar à coordenação pedagógica, aos demais professores e aos pais quanto à aprendizagem da criança, de forma que cada um desses agentes possa tomar as devidas providências no sentido de auxiliá-la em suas dificuldades e estimular o seu desenvolvimento.

Nesse sentido, ele é um documento muito importante para a vida escolar da criança, uma vez que faz parte do seu histórico e também pode ser requerido por outras escolas no caso de transferências.

Para o professor, essa também é uma oportunidade para refletir sobre a sua prática pedagógica, que pode ajudar na compreensão dos efeitos de determinadas atividades e inspirar mudanças para a próxima etapa do ano letivo.

Além disso, um parecer detalhado pode ser o primeiro passo para o diagnóstico de um distúrbio ou dificuldade de aprendizagem.

6 dicas para elaborar um ótimo relatório descritivo

Tendo em vista tudo isso, confira a seguir nossas dicas para a realização de avaliações mais completas!

1. Não deixe para a última hora

Ainda que seja cansativo, passar notas a limpo em uma tabela é uma tarefa quase mecânica e que rapidamente se conclui. Escrever relatórios descritivos, por outro lado, vai exigir mais atenção de você. Sendo assim, é muito importante reservar um tempo maior para elaborá-los!

No caso de escolas que exigem poucos pareceres durante o ano letivo, vale a pena estabelecer prazos próprios para a preparação de relatórios parciais. Assim, será mais fácil se lembrar de eventos importantes da aprendizagem dos alunos e o seus pareceres descritivos conseguirão apresentar melhor o progresso de cada um.

2. Elabore um roteiro

Outra dica em relação à organização desse processo é que você deve se lembrar de sempre descrever determinadas questões relativas à aprendizagem do aluno. Para garantir que todos os pontos exigidos pela escola foram cobertos, alguns educadores utilizam modelos na elaboração dos seus relatórios descritivos.

Ao invés disso, tente utilizar roteiros. Diferente dos modelos, nos quais você preenche um texto fixo com informações pontuais, os roteiros consistem em uma série de perguntas que você deve checar se foram respondidas ao fim do texto. Isso impede que todos os pareceres fiquem com a mesma cara.

É natural que avaliações diferentes foquem em pontos diferentes, que você se demore em descrever aspectos da aprendizagem socioemocional de determinado aluno, enquanto no caso de outro o desenvolvimento cognitivo seja o destaque. Por isso o roteiro é a melhor técnica para organizar o formato dos pareceres. Afinal, cada aluno é um aluno, certo?

3. Grave relatos orais

Nem sempre a memória sozinha dá conta de registrar tudo o que acontece na sala de aula. Provavelmente, quando você tentar se lembrar de como os alunos se saíram nas últimas atividades, algumas sutilezas vão se perder.

Para evitar que isso atrapalhe a sua reflexão sobre a aprendizagem dos alunos, você pode gravar breves relatos contando os eventos mais marcantes do dia ou da semana. Assim será mais fácil recobrar o que ocorreu no período a ser descrito.

Uma forma prática de armazenar esses relatos é criar um grupo no WhatsApp só para você, chamado “Diário de Classe”. Desse modo, você conseguirá gravar os áudios com rapidez e recuperá-los em ordem cronológica.

4. Escreva com clareza

Lembre-se que esse documento será lido por outras pessoas. Um dos leitores é o seu colega que receberá os alunos no ano seguinte. Para ele, o texto não pode ser ambíguo nem deixar de mencionar o quanto foram desenvolvidas as competências dos alunos.

Outro importante interlocutor é a família do aluno, que não tem o conhecimento técnico de um profissional da área da educação, mas que também está interessada em acompanhar a aprendizagem da criança. Para os pais e responsáveis, os exemplos serão muitos úteis na compreensão desse progresso.

Por fim, o parecer também pode vir a ser lido pela/com o aluno. Sendo assim, a linguagem precisa ser carinhosa e incentivá-lo a aprender e se dedicar ainda mais.

5. Conte com o apoio do coordenador pedagógico

Algumas dúvidas podem surgir durante a produção dos relatórios descritivos. Principalmente, se as orientações da coordenação não tiverem sido suficientemente objetivas. Nesses casos, não deixe consultar o coordenador pedagógico e mesmo os seus colegas mais experientes em relação aos pontos que não ficaram claros.

6. Utilize um sistema informatizado

O papel, às vezes, é mais rápido de alcançar quando precisamos fazer uma anotação pontual. No entanto, no caso de documentos importantes como esse, é muito importante contar com a segurança e a facilidade de recuperação que o computador oferece.

Um sistema informatizado também ajuda a organizar esse trabalho e torna mais prática a distribuição desse documento com o restante da comunidade escolar. No caso de um sistema integrado, também agiliza a utilização dos seus relatórios descritivos pela gestão da escola.

Sendo um documento tão importante para o registro da aprendizagem do aluno e até para a reflexão do próprio educador sobre a sua prática pedagógica, toda ajuda é bem-vinda na sua elaboração. Portanto, organize-se para ter tempo suficiente de escrever pareceres completos, não tenha vergonha de tirar suas dúvidas com os colegas e busque tecnologias que possam facilitar ou enriquecer esse processo.

Esperamos que as dicas de hoje ajudem na produção do seu próximo relatório descritivo na educação infantil. Quer aprender mais sobre este e outros assuntos relacionados? Então, assine a nossa newsletter para não perder nossos próximos conteúdos. Basta inserir seu e-mail no campo à direita da página!