Saiba como utilizar gamification na educação

Há alguns anos, os jogos eletrônicos eram considerados passatempo de criança. Muitas vezes, eram vistos como algo ruim, afinal, o tempo gasto com eles era deduzido de outras atividades. Com o uso cada vez mais comum da tecnologia, porém, seus elementos se tornam uma realidade cada vez mais presente nas escolas — tudo isso por meio do gamification na educação.

Isso quer dizer que os alunos vão ficar jogando em sala de aula? Sim! E não. Quer saber mais sobre esse tema e entender como gamification pode mudar os rumos desse segmento tão importante? Acompanhe o texto a seguir!

O que é gamification?

A percepção em relação à importância dos jogos e à dinâmica envolvida mudou com o tempo. Hoje, eles são até mesmo profissão para muitos: de desenvolvedores a jogadores profissionais, há muitos profissionais que ganham a vida com os games.

Nesse cenário, que também envolve o uso cada dia mais comum da tecnologia na educação, estudiosos de várias áreas do conhecimento voltam suas pesquisas para essa brincadeira que ganhou ares de seriedade e já invadiu os espaços corporativos e as salas de aula nos mais diversos níveis de escolaridade.

Em uma palestra no TED Talks, em 2010, a designer de games Jane McGonigal destacou o poder que o gamification pode ter de forma global. Segundo ela, se fossem jogadas cerca de 21 bilhões de horas por semana (o que, considerando o mundo todo, não é impossível), seria fácil encontrar soluções para problemas como a fome e a preservação do meio ambiente.

Um dos motivos é claro: situações de jogo envolvem alto grau de engajamento. Qualquer dinâmica competitiva tem potencial de envolver as pessoas com mais facilidade. Afinal, quem nunca participou de competições escolares para ganhar alguns pontos a mais na média, não é mesmo?

Gamification e seu potencial de engajamento

Antes de tudo, é comum que os games entusiasmem os participantes e os façam vibrar. Assim, além de inspirarem a competição e prenderem a atenção, são atividades divertidas e engajadoras. Por isso, representam importantes desafios e oportunidades na educação infantil.

Gamification usa técnicas, estratégias e design de games em contextos que não são necessariamente associados a jogos. Um deles é o espaço educacional: com gamification, é possível trazer o jogo para a sala de aula, de forma a aumentar o engajamento, a produtividade, o foco, a determinação e outros atributos desejáveis nesse contexto.

Em outras palavras, com gamification, é mais fácil atingir metas e objetivos nos mais diferentes cenários. Isso porque as rotinas são modificadas no sentido de fazer que todos se sintam mais inclinados a se dedicar às tarefas e aos desafios propostos em cada situação.

Essa capacidade de envolver os participantes com mais facilidade é uma característica intrínseca dos jogos. Gamification foi criada com base nela e a usa bem. Desse modo, o mecanismo e o raciocínio por trás da criação de jogos são usados em diversas atividades, de modo a torná-las mais divertidas e atraentes.

Elementos envolvidos nessa dinâmica

Assim como nos jogos tradicionais, gamification oferece recompensas — como pontos e reconhecimento — em troca de ações. Por outro lado, enquanto a finalidade do jogo é o entretenimento, gamification na educação utiliza elementos de jogo para motivar a ação, auxiliar na solução de problemas e promover a aprendizagem.

A ideia parte do princípio de que os jogos existem desde a antiguidade e sempre despertaram o interesse das pessoas por eles. Por isso, há algumas décadas, já se pensa em como utilizá-los para auxiliar em tarefas cotidianas e até no desenvolvimento de novas habilidades. E, para fazer isso funcionar, a lógica dos games é aplicada a diferentes contextos.

Segundo estimativa da consultoria Gartner, o futuro do gamification é brilhante. Até 2020, 70% das maiores empresas do mundo terão pelo menos uma aplicação que a utilize. Assim, ela vai ser fundamental nos ambientes empresarial e educacional.

Por que gamification apresenta tantos resultados?

O conceito de gamification na educação vai muito além do uso de jogos pedagógicos como ferramentas de aprendizado. Isso porque, além de os jogos serem uma excelente solução nesse universo, há muito mais no mundo dos games para tornar o aprendizado mais eficiente.

Apesar da importância do entretenimento, a experiência com os games vai muito além dela. Ela passa pela necessidade de competição inerente a todo ser humano, pelos feedbacks instantâneos, pela possibilidade de evolução rápida e, claro, pela busca por recompensas.

Entre os maiores desafios da educação infantil, está a necessidade de conquistar a atenção e o interesse dos alunos. Por isso, o processo de aprendizado e a maneira de ensinar devem ser rápidos, interativos, e — por que não? — divertidos, não é mesmo?

Competitividade e recompensas

Os desafios são uma constante nos jogos. Em geral, os participantes buscam superar os colegas que participam da atividade. A competitividade, aliás, é uma reação natural do ser humano. Grande parte das pessoas fica extremamente realizada quando se sente a melhor.

No gamification na educação, essa competitividade tem um retorno positivo. Ela é capaz de render recompensas, prêmios e reconhecimento, que podem ser úteis em outros momentos da atividade. Do mesmo modo, os erros cometidos recebem lições que, no extremo, podem tirar o participante da competição.

Como a avaliação de tarefas é feita de forma contínua, não apenas após sua conclusão, se houver erros no processo, eles podem ser identificados e corrigidos o quanto antes. Uma política desse tipo — que acompanha e recompensa por bons desempenhos — é bastante motivadora para os alunos.

Superação

Quem joga sabe: em um game, os desafios sempre são adequados ao nível do jogador. Embora o participante tenha de dar o máximo de si para superá-lo, esse é um incentivo importante. Desse modo, a cada etapa, ele deve mostrar domínio sobre as habilidades adquiridas até ali.

Esse aspecto é fundamental, já que um jogo só é interessante enquanto há desafios a superar. Sem eles, a atividade se torna chata. O que motiva a solução de problemas é justamente o fato de o grau de dificuldade dos desafios ser ajustado de forma a não provocar efeito contrário.

Em determinados momentos, tem-se a impressão de que é impossível prosseguir e superar os desafios. Quando consegue superá-los com esforço, a vitória é muito mais valiosa e, consequentemente, traz muito mais satisfação ao jogador.

Para a educação, o raciocínio é o mesmo: vale investir em exercícios mais difíceis, como forma de estimular os alunos. Embora o desafio deva ser realmente difícil, é essencial que ele possa ser solucionado. E aqueles que o resolvem devem ser recompensados.

Feedbacks

Uma característica marcante dos games é o feedback constante. A partir dele, o jogador aprende o que deve ou não fazer e, com isso, progride rapidamente. Sempre que faz algo da forma certa, recebe a recompensa correspondente.

Se erra, por outro lado, ele pode perder vidas, tempo ou pontos, por exemplo. Isso faz que ele se mantenha continuamente atento e motivado, uma vez que sabe que precisa evoluir e consegue perceber quais são seus pontos fortes nessa jornada.

Na sala de aula, o gamification usa o sistema de recompensas para fazer os alunos se engajarem com a situação proposta. Assim, os incentivos oferecidos fazem todos se sentirem mais empolgados para praticar a ação ou progredir na tarefa.

Como ela pode ser aplicada em sala de aula?

Estimular e engajar os alunos na educação infantil é uma tarefa árdua, que requer novas técnicas constantemente. Usar a competitividade inerente a cada ser humano é uma boa chance de fazer isso: afinal, todos os alunos querem ser os melhores e obter destaque perante os colegas.

Criar uma realidade gamificada na sala de aula pode começar com técnicas simples, que não envolvam dispositivos eletrônicos, o que certamente vai ajudar a tornar as tarefas cotidianas mais empolgantes. Com isso, é possível melhorar o engajamento, aumentar a motivação e garantir a retenção de conteúdo.

Nesse ambiente, podem-se aplicar recursos de games para garantir a execução de tarefas. Boas táticas incluem rankings positivos (que premiam os bons, sem expor os ruins), medalhas, desafios e competições. Esse formato ajuda a ganhar a atenção dos alunos, envolvê-los com as aulas e fazê-los se dedicarem às atividades.

A seguir, confira outras formas de aplicar gamification na educação.

Motivação pelo videogame

Em geral, os jogos de videogame têm alto potencial de interatividade. Essa característica pode ajudar a aproximar os alunos do conteúdo a ser aprendido. Isso porque eles ficam mais à vontade e ganham mais motivação, o que faz que os resultados alcançados sejam melhores e a compreensão do conteúdo se torne mais efetiva.

Pontuação e evolução

A pontuação em atividades e provas é uma das formas mais básicas de gamification. Com ela, o professor faz os alunos terem vontade de juntar os pontos, especialmente, se levarem ao próximo nível (em que a pontuação seja mais interessante, por exemplo) ou representarem recompensas.

Essas premiações fazem os alunos buscarem o aprendizado de forma mais efetiva, rápida e organizada: eles querem evoluir para obtê-las. Os brindes podem vir quando atingem um determinado número de pontos ou passam para o próximo nível, por exemplo.

Aulas mais agradáveis

Com o formato oferecido pelos games, as aulas trocam o tom tradicional por um mais dinâmico. Nesse contexto, o processo de ensino-aprendizagem se torna mais eficiente já que ganha uma relação mais próxima com a realidade dos alunos.

Melhor desempenho

Quando a turma tem afinidade com a técnica utilizada no processo de ensino, a evolução é natural e a melhora é percebida progressivamente. Isso porque os games fazem o aluno ter vontade de praticar e evoluir, o que facilita e acelera a retenção.

Com a melhora de desempenho, ele se sente mais motivado e é capaz de criar suas próprias estratégias, que poderão ser usadas em outras áreas. Todo esse contexto torna o processo de aprendizado mais agradável e permite que o aluno alcance seus objetivos educacionais.

Espírito competitivo

A competição é uma prática que incentiva o grupo ao aprendizado — é comum que todos queiram estar sempre na frente. Quando é aliado a recompensas, o estímulo à competição aumenta e o engajamento da turma tende a crescer com o gamification na educação.

Táticas usadas em games, como desafios, missões, ranking, pontuações e premiações, estimulam o natural espírito competitivo dos alunos, além de ser uma ferramenta familiar para a maioria — já que, normalmente, os jogos são parte da vida deles fora da escola.

Trabalho em equipe

Outro aspecto incentivado com o uso do gamification é o trabalho em equipe. Isso porque, com frequência, é preciso tomar decisões em conjunto — capacidade que vai ser bastante útil no futuro. Ou seja, os benefícios dessa metodologia podem ir muito além do ambiente educacional.

Feedbacks rápidos e constantes

Os feedbacks são essenciais nos games. No gamification na educação, ajudam a garantir que o aluno evolua mais rápido. Por meio desse retorno, ele pode compreender os resultados de seus esforços. Assim, quando for mal em um conteúdo, por exemplo, pode ser informado sobre essa deficiência e incentivado a buscar material extra.

Da mesma forma, quando for bem, merece receber parabéns e algum tipo de recompensa — que podem ser pontos extras ou até um conteúdo antecipado do que será estudado em seguida. Quando o aluno conhece seus resultados, evolui de forma mais adequada e eficiente.

Preparação para o mundo real

Além de ajudar nas tomadas de decisão, gamification faz os alunos lidarem com o risco, o custo-benefício, a dificuldade e as alternativas. Todos esses conceitos oferecem aprendizados que são úteis em outros momentos e áreas da vida.

Como resultado, o aluno se torna mais crítico e sua capacidade de interpretação, mais aguçada. Então, a escola apresenta situações que ele provavelmente vai encontrar no futuro e o ajuda a adquirir a bagagem necessária para vivenciá-las e resolvê-las da melhor forma possível.

Storytelling

Contar histórias é uma prática que facilita a compreensão de conteúdos. Dessa forma, pode-se guiar o aluno pela jornada do aprendizado de forma mais simples e memorável, para dar sentido ao assunto e fazer que o aprendizado seja mais divertido.

Uma boa ideia é criar um contexto (pode ser uma aventura de magia, medieval ou moderna, por exemplo) e permitir que o aluno crie seu personagem e possa guiá-lo durante as aulas. Para isso, ele deve superar desafios e, nesse processo, pode ganhar recompensas. Os feedbacks podem vir de forma divertida para aumentar o engajamento.

Uso da tecnologia

Hoje, a tecnologia se integra naturalmente ao cotidiano dos alunos. Apesar de demandar um investimento financeiro importante, pode ser uma grande aliada dos instrumentos pedagógicos: além dos alunos, os professores e a escola também ganham ao usar métodos mais qualificados e alinhados com o momento atual.

No gamification na educação, técnicas que antes exigiam esforço manual podem ser feitas de forma digital com o uso de tecnologia. É o caso da construção e da atualização de quadros de pontos. Outra facilidade é o uso da internet para o envio de conteúdos e materiais.

Quais os benefícios do gamification na educação?

Os benefícios do gamification na educação atingem diretamente o aprendizado, mas passam pela forma como os alunos enxergam os objetivos, bem como por sua motivação e determinação. Quando estão mais engajados, os resultados deles são melhores. Veja outras vantagens a seguir!

Aprendizado facilitado

Para que o aluno aprenda com mais facilidade, os feedbacks são essenciais. É importante que ele saiba qual é o resultado de suas ações e as consequências de suas atitudes para que possa corrigir a forma como estuda e, então, atingir seus objetivos de forma mais fácil e rápida. Isso sem contar que o aprendizado será mais prazeroso e eficiente.

Evolução mais rápida

Com o gamification e seus feedbacks instantâneos, o aluno pode corrigir suas falhas rapidamente, usar seus pontos fortes e estudar com um objetivo em mente. Assim, ele deixa de insistir nos erros, já que é capaz de reconhecê-los e atuar no sentido de melhorar. Tudo isso faz que evolua mais rapidamente.

Engajamento de alunos

Desafios, acúmulo de pontos e recompensas são algumas das táticas que motivam os alunos a aprenderem a buscar bons resultados. Além disso, a constante evolução e a noção de competição aumentam a vontade de aprender.

Interação

Poder interagir com o conteúdo e associá-lo à sua própria realidade é uma característica muito importante do gamification. Essa é mais uma oportunidade de fazer o aluno se sentir motivado e engajado com o material, já que pode aprendê-lo de forma muito mais lúdica.

Direcionamento a um objetivo

No contexto do gamification na educação, o aluno sabe em que nível está e quais são seus desafios a cada etapa. Assim como nos jogos, ele é sempre cobrado no limite, mas nunca recebe uma tarefa que esteja além de suas capacidades. De fato, a ideia é que possa evoluir em direção ao próximo objetivo.

Quais são os exemplos de gamification em sala de aula?

De forma geral, o gamification tem se tornado um elemento cada vez mais poderoso, que faz as aulas serem mais atraentes e divertidas. Acompanhe, a seguir, alguns exemplos efetivos de como colocá-la em prática nas aulas!

Jogos

As provas são sempre muito temidas pelos alunos. Uma boa ideia para aplicar gamification na educação é transformar a aula em um grande jogo. Nesse contexto, podem-se atribuir notas às atividades. Assim, a nota final depende de quantos pontos o aluno conseguir acumular durante o período.

Além do mais, ele pode evoluir de nível com a conquista de pontos: começa como iniciante e pode chegar a mestre, por exemplo. Para isso, pode-se criar um sistema de pontuação que defina cada grau. Isso incentiva o aluno a se empenhar para atingir o objetivo de alcançar o nível máximo.

Dinâmicas

Criar um torneio entre os alunos é uma alternativa interessante e dinâmica. Esse tipo de competição os deixa ansiosos para demonstrar o que sabem. Até mesmo os mais introvertidos podem se beneficiar desse tipo de competição, afinal, a autoestima ganha um incentivo quando eles podem apresentar suas habilidades.

Entre as recompensas oferecidas, podem estar medalhas, bottons, adesivos ou carimbos. Esse tipo de motivação geralmente é bem-aceito por alunos de diferentes idades — especialmente, se vier acompanhado de pontos de bonificação. Para tornar a atividade ainda mais dinâmica, é possível fazer competições entre diferentes turmas.

Lúdico

Nem só de jogos eletrônicos vive o universo do gamification. Uma forma bastante lúdica de aplicá-lo é por meio dos jogos de tabuleiro, que podem ser usados em atividades interativas em sala de aula. Para isso, é possível adaptar games tradicionais ou criar tabuleiros próprios.

Uma boa ideia é fazer tabuleiros gigantes para que diversos alunos joguem ao mesmo tempo. Eles próprios podem ajudar na definição das regras, no estabelecimento das recompensas e na confecção do material. Desse modo, torna-se uma atividade ainda mais complexa.

A ludicidade pode ser usada também nas tarefas de casa. Há várias opções de atividades que podem ajudar a fixar o conteúdo de forma mais estimulante: caça ao tesouro, problemas de lógica, pistas para serem desvendadas e assim por diante.

Eletrônicos

Não há como negar que a tecnologia ajuda bastante no processo de uso de gamification na educação. Já conhecidos de grande parte dos alunos, os jogos permitem que eles tenham uma experiência única e personalizada. Afinal, cada um joga de um jeito.

Diferentes alunos vão encarar os desafios de formas distintas. Nesse processo, podem falhar, superar obstáculos, persistir e ganhar. Isso faz que sejam responsáveis por seu próprio aprendizado, já que tomam decisões, aprendem com os erros e atingem os objetivos.

Quando passam as fases (às vezes, depois de tentar várias vezes) e, ao final, vencem o jogo, aprendem sobre o valor da persistência. Assim, os games funcionam como motivadores do processo de ensino-aprendizagem.

Para explorar as possibilidades do gamification de forma mais completa, as escolas podem apostar em oficinas pedagógicas que tenham como enfoque as formas de aplicá-la. Com isso, é possível incluir elementos inovadores para o convívio em sala de aula.

O resultado é que, com o uso de práticas e estratégias mais didáticas, pode-se obter mais engajamento por parte dos alunos. Como consequência, o processo de ensino-aprendizagem é facilitado e o cotidiano deles e dos educadores fica mais prazeroso ao aplicar gamification na educação.

Então, gostou deste conteúdo? Continue conosco e aprenda mais sobre o assunto: saiba por que implementar o uso da tecnologia na sua escola infantil!